LARANJO.png

BLOG

OFICIAL

perfil.png

Você pode entrar ou cadastrar uma conta no botão ao lado para interagir com os posts!

Você está vivo?

Disse o poeta: “A vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro pela vida”. Eu arremato: a vida é a arte das certezas, embora haja tantas incertezas por aí.

A certeza de que o sol vai nascer todas as manhãs. De que a terra vai germinar as sementes. De que, uma após a outra, as estações do ano vão se suceder no horizonte. E a certeza maior de todas: nós vamos morrer um dia.

Eu tenho cá pra mim que é na consciência sobre a inevitabilidade da morte que reside a origem de toda neurose. Como acordar todos os dias e suar a camisa atrás dos sonhos estando presente a certeza de que tudo vai acabar um dia? Na tentativa de burlar as leis naturais que nos conduzem à inexistência, desenvolvemos subterfúgios que visam a evitar não a morte física — inevitável que só ela —, mas a morte simbólica.

Não se encaixar no padrão de beleza. Não encontrar um par romântico. Não ser bem-sucedido na profissão — são tantas as mortes sociais. A cada nova frustração, a retomada de contato com a inevitável frustração de perceber que muito pouca coisa muda na história da humanidade com a nossa ausência. O sol vai continuar nascendo todas as manhãs. A terra bem cuidada continuará germinando sementes e, uma a uma, as estações do ano vão se revezar nos céus.

O grande paradigma é que, em vez de a certeza de um dia não estarmos mais aqui nos mover e inspirar a viver cada instante como se fosse o último (porque pode ser, convenhamos), essa certeza nos paralisa.

Não para as neuroses da vida cotidiana, e sim para a busca autêntica da felicidade. Sabemos que o padrão de beleza não serve para nada, mas continuamos nos comparando com a digital influencer photoshopada nas fotos.

Repetimos que ficar só é melhor do que mal acompanhado, mas aceitamos qualquer coisa — qualquer coisa — para nos encaixar. E, se o que aceitamos vem junto com abuso, ainda tomamos a culpa por nossa. “Se eu fosse mais isso, ou mais aquilo”, aí sim eu teria o que quero, me sentiria como quero me sentir e saberia que sou especial, porque ser especial é o oposto de ser qualquer coisa que um dia simplesmente não vai ser mais nada.

Querendo ser especiais e nos encaixar, nós nos transformamos em robôs da produtividade, trocando o prazer de viver pelo prazer de ser visto vivendo, sendo redes socialmente aceitáveis enquanto esperamos o fim de semana chegar, mesmo sabendo que talvez não chegue. E existem instantes de iluminação.

Todo mundo já se pegou, do nada, sendo invadido por um contentamento súbito e inexplicável. Uma alegria repentina, a vida parece mais colorida e, de repente, você sabe que, se morresse naquele instante, tudo teria valido a pena.

Esses são os momentos em que você se dá conta da morte. Quando você percebe que ESTÁ VIVO.

Quando estamos presentes no momento presente, somos invadidos de confiança e coragem para lidar com os problemas — que, então, percebemos que nem são tão grandes assim.

Está tudo bem, e você está presente e está vivo e ciente da certeza da sua morte de uma forma tão pura e sutil que tudo bem morrer. Você está presente, e está vivo — e isso, acima de qualquer certeza, é a única coisa que importa.

(*) Flavia Melissa (@flaviamelissa) é educadora emocional, psicóloga e escritora à frente do Portal Despertar. Ela sabe que, se você ainda está vivo, ainda dá tempo de escolher se conectar com o que realmente importa.

#especiais #morrer #vivo

0 visualização0 comentário