LARANJO.png

BLOG

OFICIAL

perfil.png

Você pode entrar ou cadastrar uma conta no botão ao lado para interagir com os posts!

Secretário da Fazenda descarta revogação de decretos que acabam com benefícios fiscais de ICMS a par

O secretário de Estado da Fazenda, Paulo Eli, afirmou, durante sessão especial da Assembleia Legislativa de Santa Catarina, na tarde da última terça-feira (19/02), que o Estado apenas cumpriu a lei ao editar os decretos que revogam benefícios fiscais de ICMS a produtos alimentícios e da construção civil. Para o secretário, tais medidas são importantes também para melhorar a situação das contas públicas do Estado.

“Esses decretos foram editados para atender a Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2019. Cumprimos o que está previsto na LDO”, afirmou Eli. “O Estado precisa pagar suas contas, os servidores e os aposentados precisam receber seus salários e aposentadorias em dia.”

Durante aproximadamente três horas, o secretário, que foi convocado por meio de requerimento dos deputados Moacir Sopelsa (MDB) e Valdir Cobalchini (MDB), aprovado na semana passada, respondeu aos questionamentos dos deputados sobre os decretos, que foram editados em 28 de dezembro do ano passado e entram em vigor a partir de 1º de abril.

Ele explicou que tais medidas são parte do trabalho de revisão dos incentivos fiscais que o Estado terá que concluir até 31 de julho deste ano. Isso porque o Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) determinou, em julgamento de Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) em 2017, que toda e qualquer concessão de benefício fiscal deverá ter aprovação da Assembleia.

O secretário descartou a revogação dos decretos. “Se fizermos isso, vamos responder por improbidade administrativa, porque a revisão dos benefícios é uma determinação do Tribunal de Contas”, explicou.

No entanto, conforme Eli, os deputados podem revogá-los, mediante a aprovação das propostas de sustação de ato que tramitam na Alesc. No entanto, a partir de 31 de julho, todos os benefícios estarão suspensos, independente ou não da revogação dos decretos.

Para evitar transtornos, o secretário pediu apoio dos deputados para revisar as mais de 20 mil páginas de benefícios fiscais concedidas pela Fazenda ao longo de vários anos sem a aprovação da Assembleia. Eli defendeu a manutenção dos incentivos que realmente são benéficos para a economia e para o poder público.

Afirmou, ainda, que deve haver tratamento isonômico nessa questão. Segundo ele, 11.145 empresas não recolhem um centavo de ICMS. Citou, ainda, o caso das quatro companhias aéreas que operam no Aeroporto Hercílio Luz, em Florianópolis. Segundo ele, cada empresa paga uma alíquota diferente do ICMS sobre o querosene. “Temos empresa que paga 3%, duas que pagam 12% e uma que paga 17%”, disse.

“A partir da semana que vem, vamos nos reunir com os vários setores da economia e com os deputados para tratar desses benefícios. Temos que revalidar os benefícios que realmente são vantajosos para a economia e promover uma isonomia, para que não haja distinções dentro de um mesmo setor. Vamos trabalhar em conjunto com os deputados para que os projetos, quando vierem à Assembleia, não sejam rejeitados”, afirmou Paulo Eli.

“Gaveta”

O secretário da Fazenda revelou durante a sessão especial que não conhece todos os benefícios concedidos pelo Estado, pois muitos foram autorizados sem transparência. “São benefícios de gaveta, que eu nem conheço. Quando eu revogo, alguém pia e aí eu descubro que o benefício existe”, comentou.

A revelação do secretário chamou a atenção do presidente da Assembleia, deputado Julio Garcia (PSD), que considerou a questão bastante grave. O parlamentar elogiou a participação de Paulo Eli na sessão desta terça. “Podemos divergir do seu ponto de vista, mas temos que destacar a competência do secretário”, afirmou.

Ao todo, 11 deputados foram à tribuna para questionar o titular da Fazenda estadual. Todos demonstraram preocupação com os impactos que os decretos vão causar na economia do estado. Para Moacir Sopelsa e José Milton Scheffer (PP), a revogação dos benefícios tira a competitividade do agronegócio estadual e pode causar problemas sérios no campo.

Para Volnei Weber (MDB), Milton Hobus (PSD), Valdir Cobalchini (MDB) e Laércio Schuster (PSB), as medidas devem provocar a fuga de indústrias para outros estados e o consequente aumento do desemprego. Bruno Souza (PSB) e Altair Silva (PP) defenderam, ainda, que o Estado corte suas despesas antes de mexer nos incentivos fiscais. “Discutimos os sintomas e não a doença. A doença é essa carga tributária ofensiva”, acrescentou Bruno Souza.

Nilso Berlanda (PR), Paulinha (PDT) e Luciane Carminatti (PT) também ocuparam a tribuna para questionar o secretário. Luciane defendeu que o Estado tenha uma boa arrecadação para prestar um serviço de qualidade ao cidadão. “O que precisamos é dar benefícios aos empresários que realmente valorizam o nosso Estado”, comentou a deputada.

A apresentação do secretário da Fazenda foi acompanhada na plateia por dirigentes de várias entidades da indústria, comércio e agronegócio, como a Fiesc, Fecomercio-SC, FCDL-SC, Ocesc, Fecoagro e Faesc.

Fonte: Agência Alesc

#benefício #fazenda #fiscais

0 visualização0 comentário