LARANJO.png

BLOG

OFICIAL

perfil.png

Você pode entrar ou cadastrar uma conta no botão ao lado para interagir com os posts!

O verbo "haver": o uso correto e dicas para não errar

O verbo haver é utilizado no impessoal e, portanto, sempre na 3ª pessoa do singular - e o jornalismo português faz um ótimo uso dele


No telejornal português, aparece uma frase:


“A seis meses já há clima pré-eleitoral”


Além de toda a concisão e o intelecto do jornalista Nelson Garrone, o qual teceu várias visões políticas, a chamada traz uso benéfico da nossa Língua Portuguesa.


A preposição “a” – na relação temporal – indica futuro, como nas conhecidas expressões: “daqui a seis meses”, “daqui a um determinado tempo”.


De outra sorte, é válida a lembrança: caso houvesse a referência pretérita, o uso seria do verbo haver: “há seis meses”, “há um tempo”.


Por essa precisão na temporalidade, é pleonástica a expressão “há tantas semanas atrás”. O termo “atrás” é desnecessário e deselegante nesse tipo de construção.


Nota: no telejornalismo português, vê-se uso privilegiado do verbo haver, no sentido de existir.


Além de extrema elegância, a impessoalidade gera uma frase breve, objetiva.


Duas construções a serem comparadas:


“Mesmo faltando seis meses, estamos em clima pré-eleitoral.”


(Menos concisa)


“A seis meses já há clima pré-eleitoral.”


(Mais concisa)


Brevidade é uma qualidade de quem se habitua a revisar textos, evitando excessos, o que é desnecessário.


Sob o ponto de vista da concordância verbal, o verbo haver é invariável, ou seja, não irá para o plural (mesmo em locuções):


“Deve haver campanhas eleitorais.”


“Há campanhas eleitorais no Brasil.”


“Pode haver campanhas eleitorais.”


Ao buscar textos objetivos, considere o bom exemplo do jornalismo português: haver sim!


Fonte: exame.com.

0 visualização0 comentário