No mundo dos anúncios, você é mais conhecido do que imagina
03/07/2017


Repasse de dados pessoais movimenta uma indústria bilionária; o preço é a banalização de suas informações mais privadas

Carlos Coelho


Repasse de dados pessoais movimenta uma indústria bilionária; o preço é a banalização de suas informações mais privadas.
 
João ficou poucos segundos na farmácia, apenas o tempo suficiente para escolher um inibidor de apetite, sacar o cartão de crédito e fechar a compra. Em casa, ao abrir o Facebook, surpresa: o anúncio com a promoção de uma academia de ginástica em sua vizinhança. Não, Mark Zuckerberg ainda não liberou a funcionalidade “leitura de pensamento” em sua rede social. João, aliás, sequer existe. Mas ele poderia ser você, já que seus dados – como os de nosso personagem fictício – estão, neste exato momento, percorrendo caminhos obscuros para chegar a lugares que você nem imagina. Uma munição para ser usada, ironicamente, em você.

“As empresas nunca se beneficiaram tanto de informações pessoais para criar sua estratégia de marketing quanto agora”, escreveu a ProPublica, uma ONG jornalística norte-americana que divulgou uma série de estudos sobre segurança de dados. Não seria problema, não fosse pelo fato de a maioria destas informações serem repassadas sem o seu consentimento (às vezes, nem conhecimento). “Quando o usuário disponibiliza seus dados para uma loja, por exemplo, ele está autorizando somente aquela loja ou aquele site a usar suas informações e para o que foi combinado”, explica Fernando Peres, advogado especialista em direito digital e crimes cibernéticos.

Não é o que acontece. Na vida real, é usual que tais informações sejam compartilhadas entre empresas ou parem na mão de ‘coletores de dados’, os data brokers, alimentando uma rentável indústria de dados pessoais.

O que você compra, as bandeiras de cartão que usa, seu limite de crédito e locais que frequenta podem ir parar em um banco de dados. Programas poderosos de processamento cruzam as informações para montar perfis de pessoas e vendê-los na internet, ou mesmo em cds físicos, como explica Ludovico Szygalski Júnior, professor do curso de Segurança da Informação do Centro Tecnológico Positivo.

Tais dados offline se juntam aos quase infinitos rastros online que deixamos todo dia, sem perceber. “Quando você instala qualquer programa, como um aplicativo, está liberando o acesso a vários dados, como contatos, fotos, redes sociais. Às vezes você vai a um restaurante e faz o login social, também está gerando informações. Todas as atividades online são monitoradas. Até mesmo uma simples pesquisa no Google”, exemplifica Szygalski Júnior.

Fonte: Gazeta do Povo

Martello Contabilidade - Rua Emiliano Ramos, 439 - Centro - Lages, Santa Catarina

Receba nossas novidades por e-mail!